terça-feira, 10 de janeiro de 2012

JULGAMENTO

Um homem com sede de justiça
procurou o sistema judiciário
para ser encarcerado.

O juiz de plantão, perplexo, perguntou,
filho, estás passando por dificuldades?
- Por dificuldade moral, Sr. juiz!
- Estranho. Já aconteceu algo correlato no passado,
mas o sujeito era ex-presidiário e por consequência
não conseguia emprego nem moradia
e andava faminto e doente.
- Excelência, atenderam o pedido e o prenderam?
- Sim, mas teve que reinscidir.
- Repetiu o crime anterior?
- Não. Como não havia motivos para prendê-lo,
ele colocou explosivos na porta do presídio,
causando uma grande lambança. Mas
tu não pretendes explodir o tribunal?
- Eu já cometi os delitos necessário para ser preso
- Homem, esses pecadilhos cometidos por ti são
 brincadeiras de crianças, algo muito distante das safadezas
 praticadas em meio à seara política, por exemplo.
- Sr. juiz, o que eu fiz é repulsivo!
- Criatura, foram pequenos deslizes de arraía miúda,
nada , se comparado  às maracutaias dos tubarões,
que se pulverizam pelas brechas do nosso sistema obsoleto
- Doutor juiz, eu cometi um crime e tenho de ser preso!
- Homem o pretenso crime que tu dizes ter cometido
não pode ser julgado, porque a lei ainda não o catalogou como crime.
- Mas eu já fui julgado.
- Por quem?
- Fui julgado pelo tribunal da minha consciência!

2 comentários:

  1. Obrigada amigo pela visita.
    Realmente a nossa consciencia é o nosso maior juiz.
    Como é bom deitar e ter a nossa consciencia tranquila, relaxar e dormir um sono reparador.
    Um abraço
    Rai

    ResponderEliminar
  2. Obrigado Rai, pelo comentário sensato.
    Um abração. Tenhas um bom dia.

    ResponderEliminar