sexta-feira, 28 de novembro de 2014

SE NÃO VAI AJUDAR NÃO SE INTROMETA

Por sermos ainda atrasados,
que estamos sempre catando
os eventos à nossa volta,ou seja,
o que outros andam fazendo.

Qual uma senhora fuxiqueira
eu vinha bisbilhotando, à revelia
os passos do meu ilustre vizinho,
um senhor nonagenário, ativo.

Percebi que o nobre distinto
conferia nos relógios, todo dia,
com calor, frio ou chuva
o consumo de água e energia.

Outro dia, já não me aguentando
aquela rotina inócua ( sob meu prisma)
abordei o veterano distraído:
o que leva o Senhor à tarefas inoperantes?

O bom velhinho, olhando de soslaio
disse-me, não me impressiona o seu proceder.
As coisas que eu faço não lhe interessam,
apenas lhe sugiro: viva e deixe viver!

8 comentários:

  1. Lindo poema! É o típico das pessoas, não pela ajuda, mas pela bisbilhotice...

    Gostei muito.

    beijos

    Bom fim de semana.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Amigo Dilmar, adorei ler aqui de forma poética a sua abordagem, pois olhe, adoro esses velhinhos tão eles mesmos, embora há alguns que não se pode aguentar, mas esse foi bem taxativo,rsrs, "...viva e deixe viver"! Eu também faria um poema a respeito!
    Abraços apertados meu amigo sempre querido!

    ResponderEliminar
  3. Acróstico

    Onde há homens, xereta existe
    Locupletar um esporte nacional
    Há sempre aquele olho em riste
    Aflito por trás da janela ou jornal.

    Resistir a tornar-se um abelhudo
    O mais das vezes é duro aguentar
    Ruim é não conseguir saber tudo
    A respeito do que ocorre no lugar.

    Basta para conquistar sua messe.
    Olhar com curiosidade ao derredor
    Alcovitar é para quem lhe apetece
    Luta ferrenha para saber melhor.

    Há que os olhos abertos manter
    Em todo e qualquer movimento
    Investir nas suas horas de lazer
    Onde quer que haja um evento.

    ResponderEliminar
  4. Se não vai ajudar não se intrometa,
    faça favor vista a jaqueta e os ceifões
    ponha-se daqui para fora na alheta
    pare de fazer tantas confusões!

    Vá mas é ter com o baeta,
    para ouvir os seus sermões
    tenha uma vida perfeita
    a falar com os seus botões!

    é sempre boa a sua poesia,
    escrita na perfeição
    bem lida não causa arrelia
    nem qualquer perturbação

    Bom fim de semana amigo Dilmar, um abraço.
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  5. Deixo bem claro para essa pessoa que não interfira na minha vida e ainda lhe falo que ''Deus criou a vida para cada um cuidar da sua''!... Ameiiiiiiiiiiiiiiiii

    ResponderEliminar
  6. Olá Dilmar, mudei o endereço do blog, pra não perder o contato, estou revendo os amigos pra atualizar: http://caoticossemrumo.blogspot.com.br/ te espero lá, bjs

    ResponderEliminar
  7. Olá Dilmar,

    Onde houver poesia, eu paro.
    Gostei, e sorri com este final. De facto se o Sr. era feliz assim... para quê questioná-lo?!
    Um abraço, e bom Domingo.
    Dilita

    ResponderEliminar
  8. Admiro a frontalidade da resposta.
    A idade traz-nos isso de bom: o dar-se ao direito e ao à vontade de dizer o que lhe vai na alma, sem papas na língua.
    E, perdoe que lhe diga: "se não ia ajudar, para que fuxicar?" ;)

    abço amgo

    ResponderEliminar