sexta-feira, 12 de novembro de 2010

HOJE EU LEMBREI DE FERNANDO PESSOA

Depois de muito tempo
trancado no meu quarto,
procurando nos compêndios
a chave de elucidação
dos enigmas que inquietam
a nós, pobres humanos,
lancei os olhos para a rua
através de uma fresta na parede
e avistei um jumento,
abstraido do mundo,
pastando com naturalidade.

Naquele instante
fiquei pensando:
nas árvores que crescem,
alimentam outros seres,
purificam o ar do planeta
e não perguntam por quê?
Nos pássaros que embelezam a natureza,
alegram o espírito humano
e não possuem consciêcia disso.
Nos regatos que desaguam nos rios
e estes desembocam nos mares;
trabalho que fazem
desde o começo das eras
à margem dos sistemas filosóficos.

6 comentários:

  1. Olá gostei muito dos seus textos: já sou seu seguidor.
    vou colocar em meu blog um direcionamento do seu
    link para que através de atualizações eu esteja te
    acompanhado. bjos e abraços.

    ResponderEliminar
  2. Ah, meu amigo Dilmar
    Bem lembrado!
    Bem lembrado!
    A observação constante de pessoas , coisas e fatos...
    Gostei imensamente do seu poema!
    Adoro esse seu jeito direto, sem rodeios, de ir direto ao ponto x dos veros...
    Mais uma vez me esncanto com um escrito seu...
    Enorme abraço, poeta!

    ResponderEliminar
  3. [e a luz procura a escuridão de todos os lugares, iluminando-os enquanto aguardarem as candeias do mundo]

    um imenso abraço, Dilmar

    Leonardo B.

    ResponderEliminar
  4. Amigo Antonio, obrigado pela visita e por seguir o meu blog. Também estou seguindo você.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  5. Amiga Zélia, obrigado pela visita e pelas palavras carinhosas.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar