quarta-feira, 17 de novembro de 2010

O FIM ANTES DO FIM

O homem antigo vivia
uma vida maior
numa curta trajetória de tempo.
O homem atual vive menos
numa vida de longo tempo.

O homem antigo desconhecia
o significado do verbo viver,
no entanto vivia a hora cheia.

O homem moderno atropelou o tempo
e logo pediu mais tempo,
porque o tempo que ele mal administrava
parecia-lhe tão pouco.

O homem pós-moderno
tem pressa
sôfrego, abomina o jargão
"dar tempo ao tempo"
impaciente, pula o "meio"
ansioso, busca logo o "fim".

O homem de agora
menospreza o meio termo.
O homem do tempo novo
vive com o pensamento fixo
na fruição da substância orgástica.

O nosso projeto de vida
está centrado no fim:
o fim da tarde,
o fim da semana,
o fim do mês,
o fim do ano,
o fim da novela,
o epílogo do livro,
o ápice na cama...
mas apesar de tudo,
tememos o "fim do fim"
tanto que se tivéssemos poder de barganha,
diante da nossa hora derradeira,
negociaríamos com o juíz do tempo
e pediríamos um tempo complementar...
uma prorrogação de tempo...
um bônus...

11 comentários:

  1. Meu caro amigo, o tempo! ele o inimigo dos da era moderna, sempre nos atropelando. sim precisamos de um bônus, de um intervalo. as vezes é preciso está sem o relógio, estar livre, se sentir...
    gostei muito do texto (parabéns) bastante atual. hj fala-se muito nisto o homem e o tempo corrosivo.

    ResponderEliminar
  2. Maravilha de poema, meu amigo Dilmar!
    Tudo acontece, hoje em dia, do jeito exato que você descreve...
    "O nosso projeto de vida
    está centrado no fim"
    Um show essa conclusão, meu amigo!
    Verdade verdadeira!
    E queremos decisão por pênaltis...
    É muito bom vir aqui!
    Enorme abraço, meu grande poeta!

    ResponderEliminar
  3. um bônus, quiçá um suborno ;)

    gostei bastante da forma como você abordou essa era da pressa.

    abraço,
    v

    ResponderEliminar
  4. Li o poema com tempo... Devagar que tenho pressa!
    Gostei muito!


    Um beijo

    ResponderEliminar
  5. Lindo poema! Pensar e aceitar o "fim do fim" é nos libertarmos para viver intensamente.
    Gostei muito do blog e serei seguidora fiel. Amo poesia. Bjs

    ResponderEliminar
  6. Olá amigo Antonio Henrique, obrigado pela visita.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  7. Olá amiga Zélia, obrigado pela visita permanente e pelas palavras de estímulo.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  8. Olá amiga Valéria. Obrigado pela visita e pelo seu comentário.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  9. Olá amiga Lidia. Obrigado pela visita e pelo comentário.]
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  10. Olá Katia, seja bemvinda ao meu cantinho. Volte sempre.
    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  11. Caro amigo,


    Concordo contigo.Enquanto eu busco meios. Meios para não chegar ao fim, ao fim de um amor, ao fim das amizades, embora não tema o fim da vida. Feita assim de contradições, sinto-me fora do tempo. Por isso, escrevo. O que se há de fazer?

    Beijos e grata por tua escrita que me inspira, abraça, consola...

    ResponderEliminar