sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

AVENCA

          RESPOSTAGEM

Publiquei este post, aqui,  lá no início do blog e nem lembrava,
porém, ontem à tardinha ao deparar-me com um lindo pé de avenca
no quintal de um vizinho e sentir  vontade de escrever um poema,
lembrei-me de que já havia escrito um sobre o tema. Então, vasculhei o blog e
percebi que havia publicado o poema Avenca, no dia 29 de maio de 2012.
Mas, agora, achei longo e pesado. Dai, fiz uns cortes e o republico, mas numa versão mais leve.


Procurei durante muito tempo
por aquele pé de avenca que havia
no jardim da minha avó,
mas pelos lugares por onde andei
não vi o mimo da minha infância.

Nas minhas várias andanças
através da veredas da vida
vi coisas que não esperava encontrar,
mas o pé de avenca dos meus sonhos
não sei onde foi parar.

Ano passado, construí um jardim
no espaço, atrás da minha casa
esperançoso, preparei o solo
e plantei uma semente no meu coração
mas a plantinha que nasceu não possui
o perfume da avenca da minha saudade.


14 comentários:

  1. Que bom meu amigo e poeta Dilmar passar por aqui...adoro avenca, acho uma planta encantada, parece minúsculas árvores de caule preto e folhas verdinhas. Uma vez encontrei um vaso com uma avenca enorme, na casa de uma tia (que sempre teve mao boa para flores, assim dizia minha avó sobre esta tia, sua nora). Lembro de ficar um bom tempo só observando aquela flor que tanto me fascinava e fascina...lembro também que em outra visita a planta continuava viçosa, verdinha, mas em pouco volume, me senti culpado por olhar tanto a planta, mas minha tia disse que havia época em que ela não ficava tão volumosa no vaso...não foi meu olho gordo rs. Ainda é a planta que mais admiro...lembrei do Caio Abreu no conto POR UMA AVENCA PARTINDO. Belo post meu amigo, belo post.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro e bom amigo Jair Machado, pois na primeira versão, que postei no dia 29 de maio de 2012, tem uma homenagem a Caio Fernando Abreu, mas como disse no introito, podei a versão publicada hoje a fim de torná-la mais leve.
      Colo aqui a parte referente ao Caio que foi retirada da versão antiga

      Talvez eu não seja o único cara apaixonado por avencas.
      Acho que Caio Fernando de Abreu também gostava delas,
      pois num conto do livro "O Ovo Apunhalado"
      ele faz algumas referências a essa plantinha frágil, simples
      e bela.


      Que bom que o amigo também gosta de avenca. Apesar de eu ser apaixonado pela natureza, algumas espécies me comovem além da conta. Avenca, por exemplo, é uma delas. Um abração.

      Eliminar
  2. Acróstico

    A plantinha que é bordado de renda
    Vivendo nalgum úmido ambiente
    E tão linda e medicinal, me entenda
    Nenhuma melhor como emoliente
    Como se dela magia desprenda
    A avenca ativa o carinho na gente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo poeta Jair, obrigado pelo acróstico. Pois é, além da beleza avenca possui propriedades medicinais. Agora me lembro de que quando gripado, no tempo de criança, minha mãe fazia chá de avenca para eu beber.
      Um abração. Tenhas um fim de semana.

      Eliminar
  3. Boa tarde!
    Adoro AVENCAS, mas nunca tive sorte com elas. Mas...
    ...........


    Avenca, planta que não se dá comigo
    Vou tentar mais uma vez
    E se não se der, vou teimar...
    Na teimosia costumo ganhar
    Com o gosto que tenho 'Nela'
    Acho que desta, ela vai vingar!.

    Um beijinho e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  4. Cara amiga Cidália, não sabia que em Portugal também há avencas. Sei que ela gosta de solos úmidos como bem frisou nosso amigo Jair.
    Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um lindo fim de semana.

    ResponderEliminar
  5. Oi, Dilmar, linda as avencas, em geral adoro as plantas, umas mais que as outras, mas as avencas estão entre minhas preferidas pela delicadeza. Mas não consigo resolver um 'problema': não sei como se chama uma flor branca, pequena e perfumadíssima que só encontrava no dia 2 de novembro quando ia ao cemitério! Não é nada macabro, não, mas será que só encontramos no Dia dos Mortos?
    Temos uma lembrança e saudades de algumas plantas, seja na infância, adolescência... Acho porque são sempre quietinhas e belas! Mas que o perfume influencia, não tenho dúvidas!
    Gostei do Poema para uma avenca.A natureza merece.
    Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. lindas, as avencas , corrigindo...

      Eliminar
    2. Cara amiga Tais, sou apaixonado pela natureza, pelas flores; pelos aromas exalados por elas. Comigo também ocorre da lembrança de espécies as quais já não consigo lembrar dos nomes.
      Obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas um belo fim de semana.

      Eliminar
  6. Aqui uma eterna apaixonada! Amo a natureza e este poema está maravilhoso. Logo achei um pouso muito especial.
    Seguindo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fernanda, obrigado pela visita. Obrigado pelo carinho. Obrigado por me seguires. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um bom domingo.

      Eliminar
  7. De tudo se faz poesia, basta olhar com os olhos de como tendo nascido agora a pouco, com, o olhar treinado e sensível do poeta. Abraços!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Fábio, tudo serve para a poesia. Tu sabes; o que nos move é o desejo de viajar nas asas da palavra.
      Um abraço. Tenhas um bom domingo.

      Eliminar