domingo, 29 de janeiro de 2017

QUANDO NADA É TUDO

Quando a gente vivia na caverna
não sabia das horas
nem dos dias
dos meses
dos anos
Quando a gente vivia na caverna
também não tinha nome
não tinha  medo
não tinha fome
Quando a gente vivia na caverna
não tinha nada.
Não necessitava
de nada.
Tinha tudo.


9 comentários:

  1. Mesmo! Havia saúde! Actualmente nunca ninguém está bem com nada.

    Beijo e um Domingo feliz

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, cara amiga Cidália. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um lindo domingo.

      Eliminar
  2. Nem tão pouco cativante,
    não sei se era bom ou bera
    desse tempo tão distante
    quando se vivia na caverna!

    Desse tempo, hoje é diferente,
    neste mundo toda a gente reclama
    parece que ninguém está contente
    porque todos querem é mais mama!

    Tenha uma boa tarde de domingo, caro amigo poeta Dilmar, um abraço,
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  3. Verdade, cara amigo poeta Eduardo, parece que todo quer mais mama, mais teta. Obrigado pela visita. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um ótimo domingo.

    ResponderEliminar
  4. Tudo é nada

    “Tenho rumas de bens materiais
    Um universo, sendo muito rico
    De fato, ainda quero muito mais
    O saite oferece algo? Então clico”.

    É desse modo que pensa muita gente.

    Na verdade, tais bens não são riqueza
    Apesar que ricos creem nessa parada
    Deixando-se levar por aquela certeza
    Assim não veem que ter tudo é nada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo poeta Jair, obrigado pela réplica poética. Um abração. Tenhas uma ótima semana.

      Eliminar
  5. Verdade...
    Aquele devia ser um tempo que se renovava a cada segundo.
    Sem pressa, sem vaidade, sem máscaras.
    Era um crescimento espontâneo.
    Belo texto Dilmar.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fernanda, obrigado pelo comentário. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  6. Quanto mais velho fica o mundo, seus habitantes ficam mais insensíveis. Veja toda essa parafernália que temos, só presta para algumas coisas, a essência do ser humano está muito desacreditada, foi esquecida. Nunca vi a humanidade como algo maravilhoso, a natureza e os animais, sim.
    Belo temo, meu amigo, Abraços!

    ResponderEliminar